Hoje é

O DESAFIO DA ESTENOSE INTRACRANIANA: PARTE 1

Dr.  Alexandre Drayton Maia Barros
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Ceará (1998). Tem formação em Radiodiagnóstico e Imagem Médica pelas Universidades Paris VI e Lille II, na França (2001-2005). Especialista em Neurorradiologia pela Univesité Pierre et Marie Curie. (2003-2005). Especialista em Angiorradiologia e Radiologia Intervencionista pelo Colégio Brasileiro de Radiologia (2004). Coordenador da Neurorradiologia Intervencionista do Instituto Cardiopulmonar, em Salvador, onde atua ainda em outros 5 hospitais.


INTRODUÇÃO

As doenças cerebrovasculares (DCV) constituem um grave problema de saúde pública, particularmente em países em desenvolvimento, onde os recursos disponíveis para o cuidado de populações com expectativa de vida crescente são cada vez mais escassos. Tal grupo de doenças é acompanhado de morbidade significativa, implicando diretamente na capacidade produtiva e qualidade de vida dos indivíduos afetados. Portanto, as conseqüências sociais e econômicas das DCV são potencialmente devastadoras.

A estenose de grandes artérias intracranianas (EI) representa uma causa importante e freqüentemente não reconhecida de DCV, especialmente em negros, asiáticos e hispânicos [1-9]. Estima-se que aproximadamente 5% a 10% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) isquêmicos são decorrentes de EI de causa aterosclerótica [10-15]. Nas séries asiáticas essa prevalência é ainda maior, da ordem de 33% a 46%. Aquele grupo de pacientes com EI sintomática requer atenção especial, pois alberga alto risco de eventos vasculares futuros: cerca de 38% em 2 anos, no mesmo território da artéria estenosada; o risco geral de recorrência do AVC é da ordem de 17% ao ano [16-24].

Não seria, por conseguinte, demasiado dizer que a EI é talvez uma das principais e mais preocupantes causas de AVCI no mundo; no entanto, em virtude do foco diagnóstico e do já vasto conhecimento de que dispomos em relação às patologias extra-cranianas, negligenciamos tal fato. Ademais, a literatura nacional e latino-americana carece de dados estatísticos e epidemiológicos sobre esse tema; assim e erroneamente, o diagnóstico de EI muitas vezes não é evocado.

Neste panorama, a identificação da EI, a determinação dos seus fatores de risco e daqueles predisponentes à recorrência de AVC isquêmico (AVCI) tornam-se muito importantes. Faz-se mister um estudo de sua prevalência em nosso meio, que possibilite não somente aumentar o nosso grau de suspeição, como também, e em última análise, contribua para a diminuição do número de AVCIs nessa população.

BIBLIOGRAFIA

1. Gorelick, P.B., et al., Racial differences in the distribution of anterior circulation occlusive disease. Neurology, 1984. 34(1): p. 54-9.

2. Gorelick, P.B., et al., Racial differences in the distribution of posterior circulation occlusive disease. Stroke, 1985. 16(5): p. 785-90.

3. Caplan, L.R., P.B. Gorelick, and D.B. Hier, Race, sex and occlusive cerebrovascular disease: a review. Stroke, 1986. 17(4): p. 648-55.

4. Sacco, R.L., et al., Race-ethnicity and determinants of intracranial atherosclerotic cerebral infarction. The Northern Manhattan Stroke Study. Stroke, 1995. 26(1): p. 14-20.

5. Wityk, R.J., et al., Race and sex differences in the distribution of cerebral atherosclerosis. Stroke, 1996. 27(11): p. 1974-80.

6. Li, H. and K.S. Wong, Racial distribution of intracranial and extracranial atherosclerosis. J Clin Neurosci, 2003. 10(1): p. 30-4.

7. White, H., et al., Ischemic stroke subtype incidence among whites, blacks, and Hispanics: the Northern Manhattan Study. Circulation, 2005. 111(10): p. 1327-31.

8. Rincon, F., et al., Incidence and risk factors of intracranial atherosclerotic stroke: the Northern Manhattan Stroke Study. Cerebrovasc Dis, 2009. 28(1): p. 65-71.

9. Waddy, S.P., et al., Racial differences in vascular risk factors and outcomes of patients with intracranial atherosclerotic arterial stenosis. Stroke, 2009. 40(3): p. 719-25.

10. Caplan, L., et al., Occlusive disease of the middle cerebral artery. Neurology, 1985. 35(7): p. 975-82.

11. Bogousslavsky, J., et al., Atherosclerotic disease of the middle cerebral artery. Stroke, 1986. 17(6): p. 1112-20.

12. Moufarrij, N.A., et al., Basilar and distal vertebral artery stenosis: long-term follow-up. Stroke, 1986. 17(5): p. 938-42.
13. Prognosis of patients with symptomatic vertebral or basilar artery stenosis. The Warfarin-Aspirin Symptomatic Intracranial Disease (WASID) Study Group. Stroke, 1998. 29(7): p. 1389-92.

14. Weimar, C., et al., Distribution and outcome of symptomatic stenoses and occlusions in patients with acute cerebral ischemia. Arch Neurol, 2006. 63(9): p. 1287-91.

15. Mazighi, M., et al., Autopsy prevalence of intracranial atherosclerosis in patients with fatal stroke. Stroke, 2008. 39(4): p. 1142-7. 25.

16. Wong, K.S. and H. Li, Long-term mortality and recurrent stroke risk among Chinese stroke patients with predominant intracranial atherosclerosis. Stroke, 2003. 34(10): p. 2361-6.

17. Kremer, C., et al., Prognosis of asymptomatic stenosis of the middle cerebral artery. J Neurol Neurosurg Psychiatry, 2004. 75(9): p. 1300-3.

18. Kasner, S.E., et al., Predictors of ischemic stroke in the territory of a symptomatic intracranial arterial stenosis. Circulation, 2006. 113(4): p. 555-63.

19. Komotar, R.J., et al., Natural history of intracranial atherosclerosis: a critical review. Neurosurgery, 2006. 58(4): p. 595-601; discussion 595-601.

20. Mazighi, M., et al., Prospective study of symptomatic atherothrombotic intracranial stenoses: the GESICA study. Neurology, 2006. 66(8): p. 1187-91.

21. Chaturvedi, S., et al., Risk factor status and vascular events in patients with symptomatic intracranial stenosis. Neurology, 2007. 69(22): p. 2063-8.

22. Cruz-Flores, S., Prospective study of symptomatic atherothrombotic intracranial stenoses: the GESICA study. Neurology, 2007. 68(3): p. 241-2; author reply 242.

23. Nahab, F., et al., Prevalence and prognosis of coexistent asymptomatic intracranial stenosis. Stroke, 2008. 39(3): p. 1039-41.

24. Samaniego, E.A., et al., Outcome of symptomatic intracranial atherosclerotic disease. Stroke, 2009. 40(9): p. 2983-7.

SBNR Informa!

Clique e veja o Edital de Convocação